quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Grupo Leitores de Algés - Sessão com o escritor Luís Osório


Grupo de Leitores de Algés, sessão com o escritor Luís Osório, dia 15 de Fevereiro, quinta, 19h15, Biblioteca Municipal de Algés

No dia 15 de Fevereiro (quinta-feira)  a Biblioteca Municipal de Algés promove uma sessão com o escritor Luís Osório que nos irá falar sobre o seu primeiro romance «A Queda de um Homem».

O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro.O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro. O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro. O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro. O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuroimeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro“O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro.”

Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.
Venha partilhar esta experiência com o escritor!












Sem comentários: